• Da redação

Minha antiga máquina de costura


Quantos anos? Quase perdi a conta! 70, 75. Esse mesmo é o tempo que essa fiel e prestativa companheira me faz companhia. Desde meninota, comecei a me interessar pelos encantos que passa uma costureira!

Pano aberto sobre a mesa, em nossa cabeça já vemos o vestido pronto! Babados, pregueados, franzidos já eram vistos em nossa criatividade antes de nascer!

Eu tenho certeza que se eu tivesse seguido essa carreira não teria feito feio! Eu tinha uma amiga de infância chamada Myrtilla que combinava muito comigo, como uma irmã. Então inventávamos, em nossa casa, de fazer roupas que usávamos e as admiravam. Era o godê guarda chuva, feito em tecido de linho do mais fino, eram camisas esporte, era uma distração muito divertida e interessante.


Fizemos juntas a Escola Normal “Carlos Gomes” de Campinas e depois fomos alunas da primeira turma da Faculdade de Biblioteconomia da PUC, também de Campinas. Em seguida fizemos o Primeiro Concurso Público Estadual para preenchimento de vagas no ensino Estadual. Eu concorri para a vaga de Desenho Pedagógico. Escolhi Capivari, onde permaneci durante 20 anos, e ali me aposentei, viajando sempre de Campinas para lá. Minha amiga querida escolheu a cidade de Franca. Ali viveu durante muitos anos. Teve sete filhos, hoje todos formados brilhantemente, ocupando cargos importantes em suas carreiras.

Voltando à minha querida má- quina de costura, nunca deixei de com ela conviver, fazendo a roupa de minhas duas meninas, com tanta alegria, que meu entusiasmo era cada vez maior como costureira da família.Cheguei a fazer uma cueca de cambraia de linho para meu marido. Foi um desafio porque me haviam contado que no nordeste, por causa do calor, os homens bem de vida só usavam cuecas desse tecido. Deve ser muito bom, mesmo! Muito fresquinhas!

Nunca me esqueço que só deixei de fazer as roupinhas de minhas meninas quando a mais velha fez 12 anos. As obrigações eram tantas que o tempo foi se tornando cada vez menor. Mas a minha máquina nunca deixou de funcionar. Sempre havia algum conserto necessário.

Ontem ganhei um lindo vestido cuja barra precisava ser feita. Como as barras à mão não existem mais, à máquina são muito mais fáceis! Fazia tempo que minha companheira não trabalhava. Chamei nosso ajudante e em poucos minutos ela estava roncando! Em 15 minutos estava tudo pronto! E perfeito! A marca Singer continua desafiando o tempo e sua engrenagem; depois de tanto tempo de trabalho, continua perfeita, sem problema algum! E assim vamos preenchendo nossos minutos com tarefas que nos alegram e nos transportam, muitas vezes, para longínquos fatos gravados em nosso livro da saudade!

Foto: Divulgação/Acervo Wix.


0 visualização