• Da redação

Nosso bom vizinho centenário!!!



Ter um bom vizinho já é bom, mas, ter um vizinho centenário é ser premiado! O telefone tocou e recebo um recado de que o Sr. Sylvio Rodrigues vem nos fazer uma visita às 14 horas. Nessa hora certa, chega nosso visitante, sozinho, com uma alva camisa de linho e calça beije, sapatos pretos bem polidos, cabelos bem penteados, como se fosse um jovem vaidoso.

Só que ali estava uma pessoa de 100 anos! Sempre atencioso e simpático, ele veio nos trazer alegria e companheirismo! Ele é um dos sócios fundadores do Círculo Militar, 1964, e desde essa época até hoje, sempre ocupa cargos relevantes em sua Diretoria. Participante da segunda guerra mundial, ele nos conta: “ Após um acidentecom uma mina em pleno combate, precisei ficar no Continente Africano em recuperação, dois dis em Argel e oito dias em Casa Branca, até poder retornar à minha cidade natal, mesmo antes do fim da guerra.” Isso porque, até hoje, tem 12 estilhaços de minas terrestres em uma de suas pernas. Foi casado durante 66 anos com a Sra. Zilda Ferreira. Todos os dias tira seu carro da garagem e vai respirar o ar puro daquele que é um dos clubes mais arborizados de Campinas. Há pouco tempo foi homenageado com solenidade no Círculo Militar, quando completou 100 anos! Nasceu em Campinas, em 1917.

Recebeu também homenagem dos alunos e professores do Colégio Oficina do Estudante,.de Campinas, e em sua homenagem uma Praça do Círculo Militar recebeu seu nome Eu e meu marido passamos momentos agradáveis ouvindo fatos ocorridos em tempos idos, viagens que ele fez, de sua visita ao Cristo Redentor do Rio de Janeiro quando ele subiu de carro e após um defeito no motor precisou descer o morro todo em ponto morto!!! Com sua lucidez ele nos premiou com histórias muito interessantes!

- Toque um pouco de violão para o Sr. Sylvio, disse ao meu marido.

Pois, não é que ele começou a cantar uma música dos idos tempos que se chama “Nada Além”! E que vozeirão afinadíssimo! Que surpresa! E aí passamos a tarde, ouvindo um repertório acompanhado ao violão de músicas dos velhos tempos, que, com um fundo musical de um chuvisqueiro gostoso, tornaram nossas horas nostálgicas e saudosistas!

- “Nada além, nada além de uma ilusão

-Chega bem,

-e é demais para o meu coração.

- Acreditando, em tudo o que o amor

-Mentindo sempre diz

-Eu vou vivendo assim

-Feliz na ilusão de ser feliz

-Se o amor

-Só nos causa sofrimento e dor

-Bem melhor-Bem melhor é a ilusão do amor

-Eu não quero e não peço

- Para o meu coração

-Nada além, de uma linda ilusão! E ele cantando, não falhou uma só letra! Essa música foi composta por Custódio Mesquita e Mário Lago, dois grandes compositores da velha guarda. E nosso amigo nos brindou ainda com “Adios muchachos”, e outras lindas melodias. E adeus preocupações, compromissos, obrigações!!! O melhor da vida são momentos como esse, em que nos transportamos para um mundo de ternura, alegria, companheirismo e muita saudade!!! Sr. Sylvio: ainda vamos fazer muitas tocatas com o senhor!!!

Se Deus quiser!!!

#IldadeBarros

0 visualização