• Da redação

Grupo apresenta projeto para recuperação de área ambiental


Liderado por Frans Schoenmaker, grupo apresentou proposta durante visita de convidados à mata da Cachoeira

O percurso foi relativamente curto: 800 metros. Mas para que os convidados pudessem ter uma noção da exuberância da mata da Cachoeira, a trilha foi o resultado de um trabalho intenso e voluntário, iniciado por Frans Schoenmaker e que, hoje, conta com 10 integrantes que formam o “Amigos da Cachoeira”. E como aponta a proposta entregue ao prefeito Fernando Fiori de Godoy na última segunda-feira, o objetivo do grupo é devolver a plenitude ambiental e florestal à cachoeira e à Mata da Cachoeira, no Fundão.

Além do prefeito e de diretores municipais, a apresentação da proposta reuniu o proprietário da Fazenda Atlas, Pedro Valdomiro Guarnieri, a arquiteta Diana Bakker, o diretor do Veiling, Andre van Kruijssen, e Carlos Caressato, da Syngenta.


Através da recuperação ambiental, a área da cachoeira pode se transformar em um ponto turístico e no projeto apresentado pelo grupo já consta um deck para melhor visualização da chegada e queda da água. Rapidamente, Schoenmaker apresentou as metas do grupo para curto e longo prazo. Retirada do cipó, que já está em andamento, assim como rampa de acessibilidade e deck, trilha na mata com identificação das árvores e solução para ligação irregular da água da chuva à rede de esgoto são metas que os integrantes pretendem alcançar nos próximos dois anos. Num futuro próximo, a intenção é que o local, que foi ponto de lazer até início dos anos de 1970, esteja despoluído, sendo possível nadar na cachoeira e transformando-se em referência para o turismo rural e ecológico.

Schoenmaker reforçou a importância de parcerias para que o projeto saia do papel e listou algumas ações que já foram providenciadas, como a autorização de Guarnieri, proprietário da área, para que o grupo faça a recuperação do local. Também pontuou medidas que caberiam à administração pública, como a possibilidade de conseguir recursos junto ao Dade para transformar o local em ponto turístico e para a instalação e comportas em açudes; atualização da legislação ambiental e a fiscalização e solução para as ligações irregulares da água da chuva à rede de esgoto. “O trabalho de retirada de cipós já avançou muito. Também abrimos uma trilha, o que facilita o nosso trabalho, além de ser uma rota de fuga, e fizemos a identificação de várias árvores, como ipês, jequitibá rosa e jatobás”, resumiu, ao explicar que a retirada de parte do cipó é importante para garantir a luminosidade e a sobrevivência das árvores.


Schoenmaker frisou que a Estação de Tratamento de Esgoto, que fica ao lado da cachoeira, está funcionando bem, mas pontuou que nem todo esgoto passa pelo emissário devido às ligações clandestinas. “Se chove forte, a água extravasa, o cheiro fica muito forte”, disse, ao destacar que, nessas ocasiões, 80% das águas passam por lá, resultado da falta de impermeabilização e retenção da água da chuva nas propriedades. Já em épocas de seca, a cachoeira sofre com a estiagem, sendo assim um termômetro da sustentabilidade ecológica de Holambra. “Precisamos recuperar este local devido ao seu valor histórico e ambiental”, completou, ao informar que a área – que compreende a Fazenda Atlas e terras da cooperativa e da Syngenta – forma a maior extensão de mata dentro de Holambra, chegando a cerca de 25 hectares.

Parceria

Ao concluir a trilha, Dr. Fernando informou que é possível fazer um trabalho em parceria com o grupo. Destacou que algumas intervenções precisaram ser feitas antes, como a ETE já em funcionamento, e citou que junto com a Concessionária Águas de Holambra, a administração trabalhará para a regularização das ligações de água e, também, para a limpeza da lagoa que recebe a água que chega à cachoeira.

Sobre o projeto do deck, Dr. Fernando adiantou que o fato da construção ser em área que pertence à Prefeitura pode facilitar a busca de recursos junto ao Dade. Reforçou ainda a importância de envolver o turismo neste projeto e completou que a cachoeira tem valor histórico, uma vez que era ponto de encontro dos holambrenses.

Leia mais no Jornal da Cidade Holambra, que saiu hoje, dia 09 de março.


#cachoeira

0 visualização