• Da redação

Adolescente representará Brasil no Campeonato Mundial de Robótica na França

O estudante Felipe Catapano conquistou o primeiro lugar na LARC - Competição Latino Americana e Brasileira de Robótica que aconteceu na semana do dia 22 ao dia 26 de outubro, no Rio Grande Sul



Aluno do 2° ano do Ensino Médio, o jovem Felipe Catapano representará o Brasil no Campeonato Mundial de Robótica (Robocup Jr.), em 2020, na França. Isso porque ele conquistou o primeiro lugar na LARC - Competição Latino Americana e Brasileira de Robótica que aconteceu na semana do dia 22 ao dia 26 de outubro, no Rio Grande Sul.

O paulistano competiu na categoria “RoboCup Jr.” Na categoria “Rescue Maze” junto ao estudante Gabriel Salles, da ETEC Jorge Street de São Caetano, a equipe Cypher Salles, agora Bicampeã do evento. Nesse modalidade, o objetivo é construir e programar robôs autônomos capazes de identificar vítimas em cenários de desastre recriados, variando em níveis de complexidade, desde o acompanhamento de linhas em uma superfície plana até a negociação e mapeamento do labirinto através de obstáculos em terrenos irregulares.

Felipe divide o tempo entre os estudos para o vestibular e a criação de robôs com inteligência artificial capazes de colaborar no resgate de vítimas. Aluno do Colégio Palmares, em São Paulo, já tinha contato com a robótica e se aprofundou durante o curso extracurricular de robótica oferecido pela instituição semanalmente, o que já levou o estudante longe - o campeonato mundial na Austrália onde conquistou o 8° lugar, melhor classificação do Brasil na história do evento.

“Nessa competição conseguimos mostrar que desenvolvemos um projeto muito consistente, tendo certeza que tudo estava funcionando normalmente, isso nos deixou tranquilos para a competição. Adotamos uma estratégia de preservar o nosso robô e as baterias, para chegar na competição e colocar ele para funcionar. Tivemos um resultado excepcional desde a primeira rodada. Foi a competição menos estressante que já participei”, explica o aluno.

Para o mundial Felipe adianta, “estamos com ideia de implantarmos sensores e tecnologias nunca antes vistas na RoboCup Jr. - Estou pronto para começar a trabalhar no próximo robô e ter o melhor resultado possível”, disse.

O aluno foi para o LARC acompanhado pelo professor de robótica do Colégio, Prof. Marcelo Salles, que orienta o aluno desde quando ingressou no curso.

0 visualização