• Da redação

A análise feita pela Sáude acena para a estabilização da curva de contágio da doença

Cidade ultrapassou 300 casos e registrou a terceira morte por Coronavírus



Mesmo com o registro da terceira morte por Covid e confirmação de mais 36 casos de Coronavírus esta semana, totalizando 313 pessoas infectadas, o Departamento Municipal de Saúde acredita que o cenário epidemiológico acena para a estabilização da curva de contágio da doença.


“Acreditamos que já atingimos o platô (quando atinge o pico e a curva começa a cair), com discreta inflexão no final de agosto e tendência à diminuição gradual ao longo dos próximos três meses”, avaliou o diretor da pasta, Valmir Iglecias. Ao pontuar que a curva deve começar a descer e questionado sobre a situação da doença na cidade, Valmir completou que “entendemos que sim, a doença está controlada em nossa cidade”. Isto porque, reforçou, o objetivo do departamento, desde o início, “foi achatar a curva de contágio e permitir que todos os munícipes que precisassem de atendimento médico nos níveis primário, secundário e terciário tivessem acesso e, até o momento, felizmente, foi o que aconteceu”.


Dos pacientes infectados, três morreram, dois estão internados, 23 seguem em isolamento domiciliar e 285 estão curados. Desde o início da pandemia, 39 profissionais da rede municipal de saúde precisaram ser afastados para cumprir isolamento. Destes, 14 foram confirmados com Covid-19. No momento, nenhum profissional deste setor está em afastamento por suspeita ou confirmação da doença.


Entre os bairros, Imigrantes segue com o maior número de infectados: 69, quase o dobro do Palmeiras, que chegou a 36 pacientes. Centro e Fundão estão com 31 casos cada. O terceiro óbito é de uma moradora do Parque dos Ipês, bairro com 22 casos. Era uma senhora de 69 anos, com comorbidade, e estava internada na Unicamp.

Prefeito e vice estão recuperados


O prefeito Fernando Fiori de Godoy, que estava internado no hospital em Campinas, recebeu alta na semana passada e o vice-prefeito, que estava em isolamento domiciliar, também recebeu alta nesta segunda-feira.


O Departamento de Saúde explicou que a evolução clínica da doença difere de pessoa para pessoa. Cerca de 80% dos pacientes apresentam a forma leve, 15% a forma moderada e 5% a forma grave. A explicação para isso são as comorbidades pregressas e a idade avançada do paciente.

Helga Vilela


94 visualizações