• Da redação

Conselhos psicológicos para apoio aos idosos


A melhor maneira de evitar que o novo coronavírus se alastre ainda mais é ficar em casa. No caso dos idosos, grupo mais vulnerável diante da pandemia, o isolamento social torna-se algo ainda mais urgente. O confinamento, no entanto, pode gerar outros problemas, principalmente em se tratando de pessoas da terceira idade. A falta de interação social e contato com a família podem gerar ansiedade e agravar casos de depressão.


Os idosos porem já viveram muito e tiveram muitos outros enfrentamentos ao longo da vida. Quando os filhos e netos eram ainda projetos de vida, eles já se viravam por aí. Então os filhos e os cuidadores de pessoas idosas também precisam prestar atenção em seus próprios medos e ansiedade e não tratarem os velhos como crianças ou como idiotas, partindo do princípio, idelogicamente defendido de que “todo velho é teimoso”. Então fazer uma outra leitura disto, como “todo o velho tem seu jeito próprio de viver”.

O cuidador ou os filhos poderão incentivar ideias simples que podem surtir bons resultados. - Proteja seus pais e seus avós e outros idosos que precisem de você. Não os deixem se sentirem abandonados.

- Descubram os jogos esquecidos nas gavetas de casa, podem ajudar muito na tarefa de distração. São atividades que contém linguagens conhecidas por seus pais e avós e uma forma de "conversa" possível para além dos noticiários. A propósito, regular esse dispositivo é extremamente saudável, para evitar ansiedade desnecessária.

- Registre com ele suas histórias de vida, ou de fatos importantes do passados. Histórias, lendas, politica, estilo de vida, casamento, filhos, tecnologias da época, educação dos filhos, etc.. As fotos guardadas, muitas vezes em caixas de sapatos, podem ser uma forma de trazer aos idosos a importância de sua história e fazer com que se recordem de momentos felizes. Tudo isso pode ser compartilhado também de forma virtual. Registre estas histórias. Ensine sua mãe gravá-las ou escrever no computador ou caderno. Eles poderão servir para o registro de momentos históricos em que vivemos ou para perpetuar mesmo a história de sua família.

- Organizem com eles um pequeno dicionário de palavras e termos antigos que não são comuns hoje, ou são apenas regionalizados. Você estará valorizando o conhecimento deles, ativando a memória deles, preenchendo o tempo deles e seu também, além de preservar a história de cada um. Quem sabe não podemos juntar tudo isto e fazer uma publicação desta produção, para uma grande festa de lançamento, quando tudo isto passar (obs; Se alguém precisar de assessoria gratuita para organizar estas duas atividades acima podem me contatar whatsapp 98820 5588). - Resgatar filmes antigos, a partir do que eles gostam, sugerindo títulos, caso eles não estejam no mesmo ambiente dos demais parentes. Isto pode ajudar a aliviar o sentido de afastamento, além de ser um poderoso método de distração e divertimento.

- Também são vitais as ligações ao longo do dia para aqueles que estejam distantes. Neste caso, devamos fazê-los se sentirem seguros, reforçando que esse período difícil é algo passageiro, mas que requer cuidados. Mas não os sufoquem, Não os infantilizem. Atentem para o fato de que a maioria dos idosos só fazer o que realmente querem. Não imponham nada a eles, a não ser a quarentena. Se resistirem à quarentena, diga a eles que é também sua proteção. Pais não perdem nunca o sentimento de proteção aos filhos, mesmo que eles sejam adultos e velhos também - Lembrem-se que as sensações de tristeza, angústia e desorganização de todos, nestes momentos de incerteza não apenas dos idosos. São de todos, diante de uma necessidade de reprogramar a vida de maneira tão abrupta.

- Fiquem atentos aos desejos dos idosos e a sua capacidade de aconselhar os mais jovens. Eles têm experiência de vida e eles viveram tempos em que toda esta tecnologia disponível, inclusive de saúde que nos ajuda muito, ainda não existia.

- Ponham os netos ou a crianças para falarem com eles via câmera, quando estiverem distantes. A vovó pode ensinar algo para seus netos, como por exemplo, fazer um docinho, uma comida. Os netos podem ensinar a vovó a resolver um problema com seus celular ou a regulação de uma peça eletrônica que as crianças quase sempre dominam.

- Façam com eles, via internet, se eles quiserem encontros virtuais para por exemplo: leitura dos evangelhos, reza do terço, novenas, orações, reflexões diversas, seja qual for da orientação religiosa do Idoso. Mas, lembre-se que deve estar centrado na opção religiosa do idoso e não na dos filhos ou responsáveis.

Bem, viver é sempre complicado. Desde o momento que o útero se contrai para iniciar o nascimento, estamos em perigo. Mas, viver é deliciosamente perigoso. Aprendamos com este momento.

Jaime Lisandro Pacheco; Psicólogo e gerontólogo. e.mail: jaimelisandro@hotmail.com ou whtsapp (19) 98820 5588

53 visualizações