• Da redação

Cresce consumo residencial de água e energia

Com a pandemia, população passa mais tempo em casa e desequilibra orçamento mensal



Nas últimas semanas, a auxiliar administrativo Vânia Paula de Lima Gonzaga, do bairro Imigrantes, apostou em uma leitura diferente: está lendo um livro sobre economia no lar. Isto porque, com a pandemia, o consumo de energia elétrica aumentou um pouco e de alimentos duplicou. Para manter o orçamento mensal em ordem, sua leitura envolve desde otimização com o uso de ferro de passar roupa e consumo de água até tipos de lâmpadas que consumem menos. Ela conta que na construção de sua casa, já foi planejada a colocação, futuramente, de placas de aquecimento. “Estamos estudando a possibilidade de colocar, agora, o aquecimento a gás nos chuveiros para economizar na energia elétrica, já que o custo para a instalação das placas é um pouco mais alto”.


Em relação à alimentação, Vânia destacou que fazer compras para o mês ajuda a evitar idas ao mercado, mas ressaltou: aprendeu que comprar produtos sem ideia de utilizá-lo é deixar dinheiro estocado no armário. “O ideal é fazer cardápio semanal. Ir ao mercado sem noção do que vai preparar faz com que compre além do que precisa e, pior, chega em casa e vê que esqueceu algum ingrediente”, ensinou.

Apesar de continuar trabalhando, sua filha ficou desempregada e para pagar a faculdade, “que não estava em meu orçamento”, a opção foi apostar em um trabalho complementar. “Voltei a fazer cestas de café da manhã”.

A história de Vânia se repete em várias casas brasileiras: com o trabalho em casa ou com o desemprego, o orçamento doméstico sofreu alterações e é preciso fazer adaptações – cortes ou ‘bicos’ - pra mantê-lo em dia.


Concessionárias


Mesmo sem citar índices, as concessionárias de energia elétrica e de água – Cemirim e Águas de Holambra – afirmaram que registraram, com a quarentena, um aumento no consumo residencial. Por outro lado, devido às medidas restritivas, a Cemirim enfatizou que houve uma redução nos consumos industrial e comercial.


Quando se trata de energia, entre os vilões estão a geladeira, o chuveiro, a TV, o ar condicionado e a iluminação. Algumas sugestões são evitar o abre e fecha da geladeira, não forrar as prateleiras e verificar a borracha de vedação da porta. É também aconselhado acumular roupas para que sejam passadas de uma vez só e, em relação ao chuveiro, as dicas são reduzir o tempo de banho e desligar o chuveiro enquanto se ensaboa: afinal, a economia de água é fundamental para a economia de energia elétrica.


A Águas de Holambra também reforça que entre as boas práticas para a economia estão banhos mais curtos, manter a torneira fechada enquanto lava a louça, reaproveitar a água da máquina de lavar, lavar roupas com menos frequência e sempre verificar a caixa d’água, evitando possíveis vazamentos e mantendo-a higienizada e tampada.


Inadimplência


No início da pandemia, a Cemirim lembrou que a Agência Nacional de Energia Elétrica publicou uma norma específica para as distribuidoras de energia elétrica e entre as regras ficou proibida a suspensão do fornecimento (corte) aos consumidores com tarifas nas classes Residencial Urbana e Rural e neste período “houve considerável aumento na inadimplência”.

A Águas de Holambra também notou um aumento na inadimplência, entretanto, está acompanhando os indicadores para identificar o que é proveniente da pandemia. “A Águas de Holambra se solidariza com quem vem enfrentando dificuldades nesse momento e se coloca à disposição para apresentar o programa de Tarifa Social que é disponibilizado à famílias em situação de vulnerabilidade social. Também recomendamos que os usuários que possuem faturas em atraso procurem a concessionária para, eventualmente, negociar seus débitos de forma a evitar o acúmulo de valores, bem como transtornos futuros”.


Com o aumento do tempo em casa, podem surgir aumentos nos gastos básicos como energia elétrica, água e gás – e este último tem sofrido variações nos preços nos últimos meses.


Algumas dicas podem contribuir para minimizar os gastos com o gás, uma vez que durante o isolamento tem aumentado a frequência das refeições em casa: pré-aqueça o forno apenas pelo tempo necessário (geralmente, 10 minutos); use panelas proporcionais à boca do fogão ou haverá desperdício de gás, pois parte do calor gerado acaba passando para o ar e não para a panela; use o vapor enquanto cozinha outros alimentos (é possível utilizar o vapor do preparo colocando uma escorredeira metálica sobre a panela para cozinhar legumes); use a tampa da panela (o preparo de pratos como macarrão, por exemplo, permite que o cozimento seja feito com o fogo desligado ao usar a tampa. Para isso, basta deixar a água ferver, adicionar a massa, desligar o fogo e tampar); evite abrir e fechar a porta do forno muitas vezes, pois isto leva ao desperdício de gás (tente observar os alimentos utilizando a luz interna e, sempre que possível, asse mais de um alimento ao mesmo tempo); evite colocar o fogão perto de lugares que corre muito vento; corte os alimentos em pedaços menores, pois vão cozinhar mais rápido e use a panela de pressão como aliada (ela faz até os alimentos mais difíceis cozinharem com mais facilidade, sem que eles precisem ficar por tempo prolongado na panela).

Helga Vilela

22 visualizações0 comentário