• Da redação

Dia Nacional do Livro: Escritores da região tem oportunidade de publicar fora do país

Biblioteca de Holambra possui mais de 15mil exemplares; entre eles, literatura brasileira


"Um livro não muda o mundo, mas muda as pessoas. São as pessoas que mudam o mudo", Jaime Lisandro.


Na última terça-feira (29), foi comemorado o Dia Nacional do livro. De acordo com uma pesquisa publicada pelo instituto Pro Livro até 2016, o brasileiro lia 2,43 livros por ano. "Acredito que esse número é devido à rotina de trabalho que as pessoas costumam ter", afirma Josemara Morais, responsável pela biblioteca municipal. Em Holambra, existem mais de 15 mil livros catalogados, vários deles de escritores brasileiros. Todos estes disponíveis para os moradores todos os dias das 8h as 17h.

"A literatura brasileira é importante pois é próxima da realidade do nosso país, nossas raízes e nossa cultura. Retrata a nossa linguagem e é uma porta par se tomar gosto pela leitura", explica a bibliotecária. Para ela, consumir livros nacionais também incentiva a criatividade de quem lê e cria novos escritores.

Como, então, publicar um livro? Muitos ainda acreditam no mito de que esse processo é apenas para as elites e para os intelectuais. De acordo com o diretor da Editora Setembro, Jaime Lisandro, é um ledo engano pensar que uma pessoa de origem simples não pode publicar um livro. "Todos têm histórias pra contar, e com o advento da internet, todos podem ter as suas próprias publicações". O Editor defende o uso e a publicação de livros digitais e afirma que esta é uma tendência mundial.

"Escrever e publicar um livro não é difícil. A dificuldade está em vendê-lo", afirma Jaime Lisandro. Na Editora Setembro, por exemplo, os passos para a publicação de uma obra são apenas três:"O autor escreve a sua obra sem se preocupar com erros gramaticais, já que aqui, ele irá ser revisado. Então ele entra em contato com a editora, que vai verificar o livro, revisá-lo e fazer o estudo gráfico do material. Por fim, chega a vez da diagramação e depois disso o livro estará pronto para ser impresso ou publicado nas plataformas digitais", explica.

Mas qual seria a razão pela qual os brasileiros costumam consumir mais a literatura estrangeira? Para Jaime, o problema está na divulgação. "Grandes editoras preferem apostar em best- sellers que já estão fazendo sucesso, porque, infelizmente grandes empresas tem foco no lucro.

Nesse aspecto a editora setembro se diferencia. Funcionando há mais de uma década em Holambra, a empresa já publicou livros em diversos países; as histórias dos moradores da região alcançaram todo o mundo. "Temos mais de 200 títulos publicados na língua alemã, em italiano, inglês, holandês e português para a Angola. Temos muito orgulho de ser uma das únicas cidades do país que tem esse tamanho (referindo-se ao número de moradores) e que possui uma editora", comenta Jaime. É uma grande porta aberta para os holambrenses que desejam contar a sua história.



23 visualizações