• Da redação

Facilidades no momento das compras


Em meio à pandemia, ACE Holambra recomenda que empresas mantenham comunicação clara com consumidor



A previsão de vendas para o Dia das Mães em um período de pandemia, com o atendimento presencial suspenso na maioria das lojas, poderá reduzir o impacto para os comerciantes que conseguirem se organizar.

De acordo que a Associação Comercial e Empresarial (ACE), a data gerava, até 2019, aproximadamente, 15% de aumento nas vendas. “No momento, as vendas no comércio estão completamente atípicas, o que dificulta qualquer projeção em relação às vendas convencionais. Mas, acreditamos que, mesmo com a pandemia, o Dia das Mães trará negócios no varejo, em torno de 7% a mais que o habitual, principalmente nas lojas que conseguiram se organizar para a data e adotaram estratégias de vendas e comunicação”, disse a gerente da ACE, Suzi Celegatti.


A principal orientação da ACE é para que as empresas se comuniquem com seus clientes e os consumidores em geral utilizando todas as possibilidades disponíveis. WhatsApp Business, telefone, redes sociais e e-mail marketing são as ferramentas mais simples, práticas e econômicas. “Mesmo sem ferramentas sofisticadas, qualquer empresa pode e deve divulgar produtos, mostrar como o cliente pode comprar, como pode pagar e de que forma irá receber as mercadorias”.


O Dia das Mães costuma ser a segunda melhor data do ano. “Comunicação clara, mesmo que seja virtual. Estratégia de venda pensada com antecedência. Muitas empresas, envolvidas com a crise, não conseguiram fazer isso para o Dia das Mães, mas poderão colocar ações em prática para o Dia dos Namorados”, alertou Suzi, ao pontuar que o lojista deve fazer o atendimento online como se estivesse com o cliente diante do balcão. “O planejamento diário e da linha de produtos que será trabalhada também são decisivos, não apenas no Dia das Mães, mas sempre”.


Última hora e online

A ACE destacou que as compras de última hora continuarão a acontecer, mas deveriam ser evitadas pela própria tranquilidade e segurança dos consumidores e dos lojistas. E mesmo com a pandemia, Suzi acredita que a oferta dos presentes às mamães não deve mudar completamente, seguindo conforme o perfil e as preferências das homenageadas. “Mas, existe a tendência do consumidor comprar aquilo que esteja mais fácil de adquirir online, pelas redes sociais e WhatsApp. Por isso, a orientação para que o comércio aumente a comunicação com o consumidor, levando até ele uma vitrine virtual de produtos, mostrando um mix de opções. Facilitar a compra é a palavra de ordem”, frisou a gerente.

Helga Vilela

34 visualizações