• Da redação

Não faltam motivos para roer as unhas, certo? Errado!


Em tempo de coronavírus o hábito de roer unha deve ser eliminado



O ato de roer as unhas, conhecido cientificamente como onicofagia, é um hábito que afeta homens e mulheres, que pode iniciar desde criança e persistir durante a vida adulta, e está muito associado a ansiedade e sentimentos de insegurança.


Nunca se ouviu falar tanto sobre a importância de lavar e higienizar as mãos. Em tempos de coronavírus aqueles que tem a mania de roer unhas acabam facilitando a exposição do organismo a infecções e doenças causadas por vírus, crescimento de bactérias na cavidade oral podendo afetar dentes e gengivas, já que os pedaços das unhas roídas são cortantes, além de causar mau hálito.


O movimento feito para roer as unhas pode causar alterações na mandíbula como estalos e dor ao mastigar.


Quem tem o hábito de roer unha está mais propenso a desenvolver bruxismo, que causa o ranger dos dentes inconsciente, aumentando a sensibilidade dentária.


Para as crianças que estão em fase de desenvolvimento dos dentes e que tem esse hábito, há o risco de má-oclusão e problemas de alinhamento da arcada dentária.


Ao roer as unhas é natural fazer uma pressão maior nos dentes. Isso ocasiona o desgaste do esmalte, deixando os dentes mais desprotegidos e propensos a formação de cáries e gengivite. Em casos mais graves o desgaste do esmalte pode ocasionar fissuras e fraturas.


Quem utiliza aparelhos ortodônticos os riscos podem ser ainda piores, já que o aparelho pressiona propositalmente os dentes. Ao roer as unhas pode acontecer desalinhamentos e complicações para a arcada.


O ato da onicofagia vai além da boca, podendo causar problemas digestivos e estomacais pelo acúmulo de bactérias.


Em alguns casos as bactérias vindas da unha podem ser a causa de episódios de diarreia, infecções respiratórias e até apendicite.


Esteticamente também prejudica o crescimento das unhas e altera o seu formato, além de abrir precedente para infecções nas unhas e dedos. Algumas maneiras de inibir esse hábito é manter as unhas bem cortadas e lixadas; pintar as unhas com esmalte especial; aplicar unhas falsas ou unhas em gel.


Encontrar formas de aliviar a ansiedade, como ouvir música, conversar com alguém ou praticar atividades físicas após o trabalho, por exemplo, podem aliviar a ansiedade e fazer com que a pessoa tenha menos manias e hábitos viciantes, como roer as unhas.

Em casos mais graves é indicada a psicoterapia ou o acompanhamento com um psiquiatra, para ajudar a aliviar as questões psicológicas, como estresse e a ansiedade persistentes, que levam a este hábito.

Fonte: https://www.tuasaude.com



/

37 visualizações