• Da redação

O que comentarmos, senão as tristezas por que estamos passando?

Dizem que não devemos enumerar os fatos tristes que podem nos abater. Mas, ultimamente, temos sido massacrados com tantas notícias que nossas lágrimas já estão acabando! A cidade de Holambra se sentiu abalada com o falecimento de dois jovens em um acidente de motos em Poços de Caldas: Jonathan e Luiza. De famílias estimadíssimas na cidade, esse acontecimento trouxe o luto para seus moradores. Agora recebo a comunicação de que o querido mestre Ederaldo, professor de História de escolas de Holambra, acaba de falecer após uma cirurgia. Em Mariana, os moradores ainda tentam melhorar os estragos que aconteceram por lá após o rompimento de uma barragem e já somos surpreendidos com outro tremendamente horrível: o rompimento da barragem em Brumadinho, também em Minas Gerais, que deixou centenas de mortos e outras centenas de desabrigados. O trabalho dos abnegados bombeiros continua e eles encontram, a cada dia, mais mortos em baixo do lamaçal. Nossas telas de TV só nos têm trazido notícias tristes e dolorosas! A solidariedade de nosso povo tem demonstrado tudo o que pode fazer para amenizar o desespero de nossos irmãos! Outra notícia horrorosa nos surpreendeu: o alojamento dos meninos do Flamengo pegou fogo! Dez meninos não conseguiram sair e morreram! Famílias desesperadas, brasileiros chorando por seus meninos, e mais tristezas para todos nós. Hoje, na hora do almoço, chega a notícia, pela TV, do acidente de helicóptero onde perdeu a vida nosso brilhante jornalista Ricardo Boechat!!! Perde o Brasil um de seus maiores repórteres, dedicado de corpo e alma a seu trabalho. Tinha vindo a Campinas fazer uma palestra em um laboratório farmacêutico. Infelizmente, voltando de helicóptero para São Paulo para chegar com tempo de almoçar com sua mulher e filhinhas, foi surpreendido por algum problema que fez com que o piloto descesse na Via Anhanguera, próximo ao Rodoanel, por onde vinha um caminhão, cuja frente foi esmagada pelo helicóptero. Seu motorista, como que um milagre, saiu do acidente com pequenos arranhões. Ricardo Boechat e o piloto do helicóptero, Ronaldo Quatrucci, infelizmente não resistiram ao acidente. Boechat deixa seis filhos, esposa – a ‘doce Veruska’, como ele a chamava - e sua mãe de 86 anos.Em todos esses acidentes, com certeza na maioria dos casos têm um ou alguns culpados.

Das duas represas, nem se fale! Quantos pesquisadores e estudiosos desconfiaram do rompimento que poderia acontecer? Dos pobres meninos, abrigados em containers, nem tiveram tempo de escapar, pois, vi em um comentário da TV, que o material com que foram revestidos todos os containers era inflamável – polipropileno - e por isso o fogo foi tão rápido, embora os dirigentes do clube afirmem que o material era antichamas. Onde está o culpado? Onde estavam as pessoas que deveriam estar fazendo a guarda dos meninos? E assim vamos chorando, nos lamentando, nos entristecendo cada vez mais, sem vermos solução para tão sérios problemas que deveriam ser corrigidos antes de acontecerem.Peçamos que Deus tenha piedade dessas famílias e lhes dê conforto e resignação.Peçamos também que Deus nos dê paz e dias melhores para que possamos ter momentosmais felizes do que esses que temos passado.

Histórias da Dona Ilda

Por: Ilda Thereza de Barros

Gostaria de encerrar meu texto com a última frase, dita no dia 11, na Rádio FM por Ricardo Boechat: “A impunidade é o que rege, é o que comanda a orquestra das tragédias nacionais”.



25 visualizações