• Da redação

Pesquisa vai avaliar os impactos econômicos causados pela pandemia em Holambra

Avaliação de número de empregos registrados em 2019 e desligamentos nas últimas semanas




Quantos holambrenses foram demitidos devido à pandemia? As empresas de Holambra podem ajudar a traçar este perfil ao responderem a ‘Pesquisa Impactos do COVID-19’. O levantamento está sendo realizado em parceria pela Associação Comercial e Empresarial (ACE), Prefeitura Municipal e Conselho Municipal de Turismo (Comtur), com a proposta de avaliar os impactos da pandemia nos empregos.


O presidente do Comtur, Pablo Schoenmaker, afirmou que um dos setores mais atingidos pela pandemia é o turismo. “Foi um dos primeiros a parar e deve ser um dos últimos a conseguir retomar, seja pelas restrições de movimentação e fronteiras, por medo das pessoas ou como consequência do impacto econômico na vida das pessoas”, destacou.

Dessa forma, explicou Pablo, todo o setor precisa se unir e desde já montar um plano para a retomada. “Estamos em uma das regiões mais ricas do país, com um grande potencial de turismo regional”, disse, ao explicar que a pesquisa servirá de base para permitir um diálogo com o Governo Estadual e Federal, em um busca de auxílio para o setor. “Ainda não se sabe exatamente o impacto econômico da pandemia, porém sabemos que nesse momento existem muitas pessoas com vontade de sair de casa. É fundamental focar nas oportunidades que virão, ao invés do momento de calamidade que o setor vive agora”.


Como participar

A pesquisa é online e pode ser respondida em poucos minutos, de forma muito simples. Basta acessar o formulário virtual e informar dados, tais como: tipo de comércio, enquadramento da empresa (MEI, micro, pequena, média ou grande), número funcionários registrados em dezembro, número de funcionários registrados atualmente e desligamentos (atuais ou previsão) motivados pela crise causada pela Convid-19.

Voltado para comerciantes e empresários de Holambra, a pesquisa vai ajudar as instituições a levantar números mais precisos da crise e traçar ações. As empresas associadas à ACE já receberam a pesquisa por WhatsApp e e-mail, mas todas podem responder ao questionário por aqui:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdAEnz412hgAH_j5RouB3zs6c0pZ-xsP9sSgaeOfYPCE7zehg/viewform. (HV)


TOP CENTRUM ENCERRA ATIVIDADES COMO HOTEL


Os 30 quartos do Hotel Top Centrum deixarão de atender o público a partir de 1o de maio e voltarão a funcionar como ‘unidade habitacional’. O encerramento das atividades foi anunciado por Tony Hulshof, administrador do hotel durante os sete anos de funcionamento.

Ele explicou que a viabilidade do hotel foi difícil durante os anos de 2014 e 2018, mas começou a apresentar resultados a partir de 2019. Porém, com a atual crise do Coronavírus, todos os proprietários das 30 unidades habitacionais (os 30 quartos do hotel), que em 2013 optaram pela operação hoteleira, resolveram que o melhor é voltar à concepção original, que é condominial. “Quando se tem custos mensais fixos, como consumo, funcionários, divulgação, parceiros, entre outros, e se tem receita zero, o prejuízo é enorme”, justificou.

Hulshof frisou que a decisão foi “muito triste e difícil”, principalmente devido ao corte dos 13 empregos diretos – além dos indiretos –, uma vez que “todos estavam prestando em serviço fantástico, avaliado pelos hóspedes durante os sete anos”. Por fim, em carta enviada aos parceiros, hóspedes e colaboradores, agradeceu a todos que fizeram do Top Centrum “sua segunda casa e nos ajudaram a receber tantos prêmios” durante todo o período de funcionamento do hotel. (HV)

42 visualizações