• Da redação

Rumo ao desconhecido

Por Roberto Athaide

Desalento! Este o melhor termo que posso encontrar para definir meu estado de espírito neste momento, quiçá o de milhões que compartilham o mesmo sentimento.

O Brasil da desesperança até o final do ano passado deu lugar a um “mitoesperança” ao eleger para a Presidência da República o Capitão da Reserva do Exército e ex-deputado federal, por 27 anos, Jair Messias Bolsonaro. Na esteira do impulso do momento seus filhos Eduardo e Flavio, foram também eleitos: o primeiro para a Câmara dos Deputados e o segundo para o Senado Federal. Ambos, de fato, embaixadores do presidente no congresso, com Eduardo almejando se tornar a seguir representante do Brasil junto ao governo-espelho de Donald Trump (EUA). Surreal!

Afinal, um presidente da república eleito com pouco mais de 57 milhões de votos e um deputado federal batendo recordes recebendo 1.8 milhões votos, pareciam convidar o país a entrar em uma nova Era. Parecia!

O que era esperança no início do atual governo veio se transformando em um rosário de decepções, fruto de atitudes inconcebíveis praticadas por um candidato a estadista que prima por colocações verbais dignas de quem perdeu a têmpera.

O Paladino da Esperança em 2018, vem insistindo, diariamente, em mostrar e demonstrar a que veio. Com intensidade crescente, depois de adotar atitudes nada republicanas, agiu em órgãos de controle e investigação como a Receita Federal, Polícia Federal, Coordenadoria Administrativo-Financeira (COAFI). Órgãos que, em conjunto e com autonomia, vinham atuando efetivamente no combate à corrupção. Assim, pairam, agora, dúvidas sobre as reais intenções de tantas interferências, e até mesmo intervenções, nas instituições dignas de crédito e respeito por parte da sociedade consciente.

Nunca é demais relembrarmos que depois da Operação Mãos Limpas - uma investigação judicial de grande envergadura, realizada na Itália, que visava esclarecer casos de corrupção durante a década de 1990 - os corruptos venceram!

Por derradeiro, no âmbito do meio-ambiente um verdadeiro desastre. Com o desmatamento e os incêndios na Amazônia a níveis jamais vistos - e retórica de ataque agressivo a instituições não governamentais e governantes constituídos na Europa – o governo conseguiu colocar o Brasil na berlinda e ser notícia deteriorante no mundo inteiro; agregada a manifestações populares inflamadas em todos os continentes. De quebra, Noruega e Alemanha cortaram suportes milionários ao Fundo Amazônia com o país correndo risco de perder bilhões em ações ambientais. Calcinante!

Seguimos céleres. Mas para onde?


22 visualizações