• Da redação

Silencio, estamos brincando

Por que as crianças brincam? Todos nós um dia fomos crianças e sabemos o quanto era difícil deixar de brincar. Para a criança brincar é tão importante quanto o trabalho é para o adulto. Tomar o banho, jantar, dormir, fazer a lição de casa é perda de tempo.Quando as crianças brincam elas poder criar. Entram num mudo mágico e livremente expandem a sua fantasia. Um mundo rico em imagens inspiram as brincadeiras. Nestas horas o coração e pulmão pulsam juntos irradiando saúde e felicidade. Quando olhamos as crianças brincarem notamos um rosto rosado e vital.

-Vamos brincar de casinha? Quem é o pai? A Mãe, o filho, a filha? Logo inicia a busca dos brinquedos e a criatividade entra em ação: Um sapato velho serve para vestir a mãe, um chapéu o pai, Uma bolsa antiga, alguns panos, canecas, colheres de pau. Depois de um tempo a casinha ja esta quase completa, e hora do lanche. Pode ser um bolo de barro enfeitado com flores ou uma saladinha de azedinha. Se são maiores podem até fazer um foguinho e com a ajuda de um adulto cozinhar um arroz numa panelinha emprestada e depois comer aquele arroz com gosto de fumaça. Hum que delicia!


Por que meu filho não sabe brincar?

Hoje percebemos que muitas crianças não sabem brincar. Estas precisam uma ajuda adicional dos adultos para entrar no mundo da fantasia criativa. Resgatar estes pilares fundamentais para o desenvolvimento das bases do humano pleno da criança e uma missão sagrada. Notamos que a capacidade de comunicação está reduzida aos meios tecnológicos, a criança é pálida, entusiasmo e podemos dizer triste. O adulto pode e deve ajudar a criança e ensinando a brincar.

Por um lado é fascinante o neto poder falar com os avós do outro lado do mundo mas não sabemos onde isto vai parar. As crianças padecem de distúrbios de contato e o espaço social fica restrito a poucas palavras .

Cada vez mais temos intolerância e somos incapazes de nos comunicar com o humano do outro. Hoje vivemos num mundo novo e nem sabemos onde a tecnologia vai chegar, mas podemos sim olhar ao nosso redor e perceber que nossas crianças estão cada vez mais afastadas do mundo real. Como reverter e encontrar o equilíbrio?


Como preservar o mundo da criança?

Percebemos no mundo problemas complexos em vários setores. Estamos vivendo extremos e divisões na vida religiosa, familiar, política, econômica, social sem precedentes. Crianças e adolescentes se encontram neste mundo fragmentado e podemos nos perguntar como manter o mundo da criança para que ela possa amadurecer interna e externamente, desenvolver-se em concordância com sua fase de vida? Como podemos juntos encontrar soluções criativas para preservar o mundo da criança?

A neurociência sabe que um dos pilares de desenvolvimento seria colocar as crianças em contato com experiências e vivencias através de brincadeiras com os elementos da natureza: terra, água ar e fogo.

Quem não brincou de rodar pião, andar de patinete, balançar numa corda, fazer fogueira, nadar, tomar chuva, caminhar nas enxurradas, bolas, rodas, pique, e tantas outras brincadeiras? Todas elas colocam a alma da criança em profundo movimento dando a ela a oportunidade de entrar em contato com ela mesma enriquecendo seus pensamentos e sentimentos. Desta forma ela experimenta e vivencia a vida de forma a ter sentido e realidade.


Ajudando a Superar o medo e criando confiança na vida.

Permitir que a criança vivencie as três dimensões sem ter medo de que ela se suje ou se arranhe ou rasque a roupa nova. Aprender é muito mais importante. Faz parte o cair e levantar. Na vida caímos e levantamos muitas vezes. Precisamos ajudar os pequenos a superar as dificuldades desde pequenos de forma consciente e cuidadosa. Os desafios virão na linha do tempo e sabemos que crianças super protegidas, paparicadas e mimadas são as que terão insatisfação na vida e tendencias a depressões.

Poder trabalhar com a terra, se sujar de lama, tomar banho de esguicho, carregar baldes de água, molhar na chuva, poder correr, pular, sentir o ar o rosto ao balançar, acender uma fogueira e fazer comidinha, no caso acompanhada de adultos que a instruam, estimulem a fazer a experiência com os devidos cuidados e segurança permitindo que a criança faça seu aprendizado. Isto permite seu desenvolvimento e fortalecimento perante os obstáculos da vida. Superar o medo do fogo, aprendendo a lidar com ele em vez de criar ansiedade por exemplo.

Estas brincadeiras são pilares de desenvolvimento interno da alma da criança e permite a ela uma harmonização dos sentimentos colocando-a numa relação sadia e confiante diante da vida . Um outro ponto fundamental é que hoje os adultos nem permitem que a criança suja ou se machuque, elas não podem brincar para não sujar a roupa e o medo de machucar impede os pequenos de brincarem livremente e como consequência vão perdendo o mais precioso em suas vidas: a confiança e a capacidade de superação de dificuldades na vida.



Se você se sente chamado a lutar por esta causa sagrada, entre em contato com : Leonor, Solange, Derci, Rosa, Gaciene ou Andrea.

Rosa Angela Schoenmaker é fundadora do Núcleo da Aliança Pela Infância na cidade de Holambra, terapeuta artística e aconselhadora biográfica membro participante do Núcleo Internacional da Aliança Pela Infância.

Visitem nosso site: wwwaliancapelainfancia,org.br

Internacional: https://www.alliancechildhood.org/

72 visualizações